Pesquisar

 
 

09/10/2008
LEI Nº 11.795, DE 8 DE OUTUBRO DE 2008.


09/10/2008
Incra/PR começa regularização em Faixa de Fronteira


07/10/2008
Leis facilitarão retirada de documentos em cartórios


07/10/2008
ANOREG/SP e IRTDPJSP aderem ao Cadastro Sincronizado


30/09/2008
ANOREG/SP e a Secretaria Especial de Desburocratização


Página 1

07/10/2008 | LEIS FACILITARÃO RETIRADA DE DOCUMENTOS EM CARTÓRIOS

Com objetivo de reduzir a burocracia e acabar com a discriminação na retirada de documentos de registros civil emitidos por cartórios, como certidões de nascimento e de casamento, o presidente Luiz Inácio Lula da Silva sancionou na semana passada duas leis que alteram as regras sobre o assunto.

A primeira delas, a lei 11.789/08, evita que o cidadão sem condições de pagar pelos registros seja submetido a constrangimento, pois proíbe os cartórios de incluir nos documentos a informação sobre a condição de pobreza do requerente. Antes, a lei só proibia a inclusão deste dado nas certidões de nascimento.


Para conseguir a emissão da primeira via do documento pedido que, por lei, é gratuita, o cidadão deve informar que não pode pagar pela certidão, além de preencher, de próprio punho, declaração atestando esta situação.


No caso de um cidadão que não saiba ler ou escrever, o documento será emitido na presença de duas testemunhas e assinado por uma pessoa indicada pelo requerente que, por sua vez, deixará a digital impressa na declaração.


Já a lei 11.790/08, de autoria do Executivo, facilita o acesso à cidadania para as pessoas que realizem o registro nascimento tardio, ou seja, após os 15 dias de vida da criança. Pela lei anterior, o registro feito a partir do 16º dia até os 12 anos de idade era considerado tardio e só podia ser realizado com a presença dos pais e mediante pedido na Justiça.


A lei sancionada amplia esse período para até 18 anos e acaba com a exigência de autorização judicial. Para isso, no entanto, além da presença dos pais, será necessária também a de duas testemunhas que conheçam a família e possam atestar a veracidade das informações prestadas.


Dos 18 anos em diante, o registro pode ser feito pela própria pessoa, que também terá de apresentar duas testemunhas. Neste caso, o registrador poderá requisitar documentos e solicitar autorização judicial.


 


Site do Ministério da Justiça

 

 

 
       
 

anoreg/br   anoreg/sp   irtdpj brasil   cedete   irib   arisp